Notícias

Elejor investe no combate ao Mexilhão Dourado

Publicada em 19/12/2014

A Elejor investe um milhão de reais no desenvolvimento de uma metodologia de controle químico do Biofouling em sistema de resfriamento das usinas do complexo energético Fundão e Santa Clara.

O Mexilhão Dourado é originário da Ásia e foi introduzido na América do Sul por água de lastro de navio, não tem predador natural para essa espécie, o que faz com que a reprodução seja exponencial e absolutamente prejudicial para os sistemas de arrefecimento das usinas hidrelétricas e o equilíbrio ambiental.

“O projeto irá instalar dosadores de KOH (hidróxido de potássio) dentro dos sistemas de resfriamento das unidades geradoras de todas as Usinas. O propósito é manter o pH da água de tal forma que o molusco não se fixe nas paredes dos trocadores de calor”, relata o engenheiro eletricista Emerson Alberti.   

Outro aspecto relevante é a formação de uma espécie de lama, denominada cientificamente de “Fouling”, encontrada somente no reservatório da UHE Santa Clara. Essa lama é produzida por um fungo de cor esverdeada e que, no interior da tubulação, reduz a seção e impede a passagem da água.

Associado ao hidróxido de potássio, o projeto irá injetar/testar uma substância química denominada de MDX-100 que combate o fungo ao mesmo tempo em que limpa o interior das tubulações, melhorando o desempenho das máquinas.

Esse investimento integra um cronograma de três projetos que Irão fortalecer o meio ambiente a segurança das barragens e a energia renovável. 

Voltar